O amor é resultado da gentileza

27/04/2017 |

O que faz as pessoas sofrerem tanto com as questões ligadas ao coração?

Hoje ouço homens e mulheres tecendo mil queixas e questões sobre um assunto e sentimento que existe para ser vivido da melhor forma. Para alguns, os dilemas ligados ao coração demandam mais do que geram satisfação.

O que será que falta na prática do amor, tornando-o mais distante do que presente?

Observo e escuto muitos relatos sobre o que o outro deixou de fazer para que a relação fosse satisfatória, ou sobre o que faltou para que a relação prosperasse.

Acredito que muitos foram educados para viver o amor com o “foco” no outro, esperando que o outro atenda a suas carências, anseios e desejos, sem o menor compromisso com a própria felicidade.

Ainda falta uma educação emocional, mais do que inteligência emocional. Muitas pessoas se perguntam: como posso acessar minha inteligência emocional se nem educado fui para ter acesso à minha educação emocional?

Sou verdadeiramente uma amante da educação. Em todos os aspectos ela dá uma elegância e sutileza que torna tudo belo. E no amor isso também acontece.

A educação emocional ensina a ser primeiramente gentil consigo mesmo, para depois poder exercitar a gentileza com outra pessoa.

Na educação existe uma premissa de que, para receber respeito, é importante que ofertar respeito. Essa forma sistêmica de pensar, que vai além do outro entregar algo, me coloca como agente que transforma e que recebe o que tem condições de ofertar.

Na educação afetiva o meu primeiro movimento é o de entregar, mesmo antes de saber se irei receber.

Esse ato é de extrema gentileza. Afinal, “ser gentil” traz satisfação e brilho no olhar quando estamos de bem com nossa própria identidade e nossa forma de vida. Automaticamente, temos amor para ofertar.

A gentileza é praticada quando reconhecemos nossos limites e possibilidades. Então, ser gentil na vida é um ato de desprendimento, sem controle, só com entrega para o presente.

Outro ganho na gentileza é o foco de estar no “aqui e agora”. Você faz algo pelo prazer do momento e por desejar doar-se para alguém ou para uma situação, pois sentirá que o maior ganho é o seu!

Para que o amor nasça em nossa vida, a melhor maneira de preparar o solo é praticando a gentileza.

Não compreendo quando vejo, num casal que habita o mesmo relacionamento, um criticando infinitamente o outro, expondo, reclamando. Até atingir o ápice da ausência de gentileza, que é a imposição de mudança ao outro.

Essa é uma expressão de falta de disponibilidade de amor e de respeito. Como é possível amar alguém desconsiderando sua forma de ser?

Uma informação básica na educação emocional é: amar significa estar bem consigo mesmo. Só assim se pode amar o outro em sua mais bela singularidade, respeitar a forma de ser, agir e sentir e simplesmente entregar o amor e receber o amor!

Um casal pode crescer muito com fluidez, alegria, comunhão, paixão, bom humor, prazer, respeito e muita entrega!

Esse amor é gentil, feito de doçura, transparência e autoconhecimento. Você oferta o que tem de melhor e fica feliz.

Portanto, lembre-se: para amar, o primeiro passo é ser gentil consigo mesmo, com a vida e com o seu amor!

Texto: Marcia Dolores